segunda-feira, julho 16, 2007

George Oppen

Se um poema existe apenas na leitura, então, devo dizer que há poemas sem sentido. Nada. Não apontam nada, sítio nenhum. Uma coisa inútil. Uma lástima.

Claro que ao poeta (o autor, o criador) não se lhe podem assacar responsabilidades.

Não acho que seja questão de ter ou não ter respeito pelo poeta. Como em poucas actividades, não é fácil (pelo menos a mim) descobrir um falsário. Aí talvez fizesse sentido a questão do respeito ou desrespeito. Não é o caso.

Não é fácil, mas também não é impossível.

A poesia é liberdade, arrisco: do poeta e do leitor; estão muito bem assim cada um no seu fazer e se o acaso aparece de permeio, seja bem vindo.

Cito George Oppen que numa entrevista, falando de Ezra Pound (que dizia que a poesia devia ser tão boa como a prosa) disse mais ou menos o seguinte:

"a poesia deve ser tão boa como a prosa, etc."
Esta era a frase de Pound à qual Oppen acrescenta:

"deve aliás ser tão boa quanto o silêncio absoluto".

Acrescento que George Oppen faleceu vitimado pela Doença de Alzeimer.

Talvez tenha nesse último momento, imerso no silêncio mais absoluto, feito o seu mais belo poema: o tal tão bom como ...

Tenho uma tendência absurda para confundir o homem com o poeta e para me encontrar apaixonado (na falta de palavra mais exacta) pela poesia por via do homem.

Provavelmente, isto quer dizer que não creio na poesia feita com intuito que não o de .. fazer poesia.

Novamente Oppen: parou de escrever poesia durante 25 anos (25!!!) enquanto se dedicou de forma mais "séria" ao activismo político.
25!!!! Dizia ele que uma e outra actividades acabariam por se "contaminar" irremediavelmente.

Creio que somos o que dizemos, não tenho muitas dúvidas, por isso estou perfeitamente convencido de que se percebe o meu pouco apreço pela poesia de caracter panfletário (político, vá). E bem sei que Portugal é muito rico nesse particular. Bem sei o que me pode custar ter esta maneira de ver a coisa.

Só para explicar a admiração pelo George Oppen, um homem (e uma mulher - Mary Oppen) admirável(eis); uma vida admirável.
... aliás muito prejudicada por essa amizade com Ezra Pound de quem politicamente se encontravam tão longe quanto se possa imaginar.

Apesar disso ...

Sem comentários: