terça-feira, julho 29, 2003

ESTUPORADO ASSOMBRO

Daqui se vê a outra margem; uma encosta íngreme suportada pelo casario irregular (ou vice-versa), não só de pescadores.

Já se sabe que foi o rio quem as formou: àquela e, ao mesmo tempo, a esta onde me encontro.

Desde há muitos séculos, milénios, milhares de milénios (quem sabe há quanto tempo teria nascido o sempre), trabalhou continuamente e, porque talvez não se saiba que continua a deter, intacto, o poder de alterar, ainda mais, as feições desta porção de terra, ele continua a passar por aqui sem deixar pasmados todos os que o olham.

terça-feira, julho 01, 2003

O SENHOR IMPORTANTE

O senhor importante não se atrasa.

O senhor importante agradece, uma vez.

O senhor importante não se desculpa porque o senhor importante não se culpa.

O senhor importante é dono de muitas coisas.

O senhor importante é afável em face de outro senhor importante e muito afável em face de um senhor muito importante.

Todas as pessoas não importantes conhecem o senhor importante e o convidam para suas casas, o que ele recusa a menos que não seja o primeiro.

Algumas pessoas não importantes acham que sabem onde mora o senhor importante.

Ninguém sabe a opinião do senhor importante sobre determinado assunto. Quando alguém lha pede ele responde com um gesto ou um aceno de cabeça.
Todos ficam satisfeitos e sorriem.

Tudo no senhor importante é óbvio, claro e justificado.

O senhor importante é muito eficiente e tem sempre muitos colaboradores que lhe entregam as vidas a troco de relógios.

O senhor importante aparece poucas vezes na TV e sempre que o faz é para falar do seu lado menos importante, o que é um regalo para nós, nada importantes.

O senhor importante nunca se contradiz, naquilo que diz.

O senhor importante gosta sempre das mesmas coisas de que gosta um senhor muito importante que com ele fale.

Os filhos importantes do senhor importante moram com ele na sua casa que ninguém conhece e nunca se sabe de onde vêm quando chegam ao colégio.

Os outros filhos do senhor importante não são importantes.

A esposa do senhor importante tem um carro que faz questão de conduzir.

O senhor importante, às vezes, aparece ao lado de sua mãe, nunca de seu pai.

O senhor importante tem carros que não utiliza.

Existe, em casa do senhor importante, uma biblioteca muito bonita.

O senhor importante sabe do que fala um romance de um senhor peruano (ou chileno) de bigode farfalhudo: é de um século de qualquer coisa. Leu há muitos anos.

O senhor importante diz que não se interessa nada pelo dinheiro que tem.

O senhor importante, como toda a gente, diz que há crise quando há crise e progresso quando há progresso.

O senhor importante goza pouco tempo de férias, altura em que aproveita para se encontrar com outros senhores importantes.

O senhor importante não perde o seu tempo e consegue que os outros não façam o mesmo.

O senhor importante vai à igreja frequentemente e mexe os lábios.

O senhor importante fica velho muito repentinamente mas não muda de número de camisa quando o seu pescoço começa a secar.

Há um dia na longa vida do senhor importante em que, acabado de regressar dos Estados Unidos da América, da França ou da Suiça, toda a gente se junta à sua volta: gente importante, pouco importante e nada importante.

Há quem chore a sério e a partir desse dia, os filhos importantes do senhor importante passam a encontrar-se apenas, e varias vezes, num tribunal.