sábado, julho 14, 2007

A maravilha dos livros

Há livros que maravilham. Uns inteiros outros menos. Algumas vezes nem se sabe bem porquê. É assim.

"Hoje não" do José Luís Peixoto, editado pelas Quasi(1) e distribuido baratinho com a revista Sábado(2) reune seis contos, cinco deles anteriormente publicados no Jornal de Letras, apresentando este volume versões revistas dos mesmos.

Este livro, não é um daqueles que maravilha inteiro, tão pouco é daqueles que deixa marca nas células do corpo que nasceram durante a sua leitura.

Seja como for é um livro delirante, absolutamente delirante. Veja-se bem o que podemos ficar a saber ao lê-lo:

"O que fazer quando se recebe um avião comercial de passageiros"
"Como reagir à queda súbita de todos os dentes"
"Como comunicar com a melhor poetisa do Quirguistão"
"Quem inventou o :)"

O que me leva a escrever algo sobre este livro são duas frases (duas!!!) no conto ":-) e :-(", precisamente o único inédito.

"Inclinando-me pela janela, conseguia ver os carros que se sucediam na Avenida da Igreja. Compará-los a sangue nas artérias seria uma comparação evidente, de tom algo grosseiro, mas exacta."

O conto não seria diferente sem estas frases; é um facto. Mas estão lá e ainda bem. Podia parar a leitura; estou satisfeito.

Fico maravilhado com o óbvio; com o desnecessário. Um livro deve ter aquilo que é preciso que tenha; dê lá por onde der.

=================

Sem comentários: